CARRINHO ( )

Glossário do Surf

A

Arrebentação: é o local onde as ondas estão quebrando. Se usa muito como uma barreira a ser ultrapassada. Por exemplo: vou tentar passar a arrebentação. Ou a arrebentação está muito forte. Asp: é a sigla de Association of Surfing Professional, que significa: associação profissional de Surf. É o orgão máximo do Surf mundial, e é responsável pela organização dos campeonatos mais importantes de Surf, o WQS e o WCT.

B

Backside: é quando surfamos de costas para a parede da onda. Se você é regular, ou seja, surfa com o pé direito atrás, sempre que você pegar uma onda para a esquerda, você estará surfando de backside. Se você é goofy, ou seja, coloca o pé esquerdo atrás, sempre que pegar uma onda para a direita, você estará surfando de backside. Bancada: é o fundo do local onde quebram as ondas. Pode ser de areia (beach breaks), de pedra (point breaks) ou de corais (reefbreaks). Banco de areia: normalmente usa-se essa expressão para falar de uma formação de areia que está mais rasa do que os locais ao redor. Normalmente, por serem mais rasos, quebram muitas ondas nos bancos de areia. Base: pode referir-se a base do surfista, ou seja, a posição que o surfista coloca os pés na prancha. Pode ser também referente a base da onda, que é a parte mais baixa da onda, onde o surfista faz a cavada. Batida: é uma das manobras mais comuns do Surf. O surfista deve fazer a cavada, subir a parede da onda e bater com sua prancha contra a crista (lip) da onda, retornando em seguida ao seu percurso. Bico: é a parte da frente da prancha de Surf. Pode ter formatos variados, mais largos ou finos, de acordo com a prancha e o estilo de cada surfista. Biqueira: é uma proteção colocada no bico da prancha de surf, para amortecer eventuais colisões. Biquilha: são as pranchas de 2 quilhas. Era a configuração de quilhas mais usadas no final dos anos 70 e anos 80. Hoje em dia muitos surfistas ainda procuram as biquilhas para surfar ondas pequenas, uma vez que elas proporcionam velocidade e mobilidade. Muito usadas em pranchas tipo "fish". Bloco: é a estrutura da prancha. Normalmente de isopor ou poliuretano. É por onde o shaper começa o processo de fabricação das pranchas. Bordas: são as partes laterais das pranchas. Muitos surfistas usam "borda" para designar a espessura de uma prancha. Por exemplo: "Quanto sua prancha tem de borda?". É  o mesmo que perguntar a espessura da prancha. Botar para baixo: é o ato de descer uma onda (dropar) sem hesitação. Normalmente a expressão é utilizada para ondas grandes. Bottom: é o fundo da prancha. A parte de baixo.

C

Caldo: normalmente usa-se com o verbo "levar" antes. Por exemplo: "Levei um baita caldo ontem em Itamambuca". Significa que o sujeito caiu da prancha e ficou algum tempo embaixo da água. Canal: é uma corrente por onde as águas das ondulações voltam para o oceano. O canal é muito utilizado pelos surfistas para chegar ao fundo (outside) porque além de empurrar o surfista para o fundo, poucas ondas quebram no canal, ajudando assim o surfista a superar a arrebentação. Casca-grossa: surfista corajoso e habilidoso quando as condições do mar estão muito difíceis. Normalmente quando as ondas estão muito grandes e/ou mexidas. Cavada: é a curva que o surfista faz na base da onda para pegar velocidade e posicionar-se para a manobra. Conectar: passar de uma sessão para a outra da mesma onda. Normalmente durante a conexão a onda está gorda, com pouca força, então faz-se necessário um esforço do surfista para manter velocidade e conseguir chegar a outra sessão da onda. Muito comum conectar do Outside para o Inside. Copinho: é o local que se fixa o leash (cordinha). Quase sempre fica muito próximo à rabeta da prancha. Cordinha: é a corda elástica que se conecta o tornozelo do surfista à prancha, evitando que se perca a prancha em um eventual caldo. Crowd: quando o "pico" ou a praia do Surf está cheia de outros surfistas. A conotação é sempre negativa, quase que uma lamentação por haver tantos surfistas e por consequência menos ondas proporcionalmente para cada um dos surfistas. Cutback: é uma das manobras mais básicas do Surf. O surfista corre a parede da onda e em determinado momento volta em direção à espuma, podendo ou não bater na espuma e retornando à parede.  Um cutback bem executado tem o formato de um "S" deitado. Concave: é referente à curvatura do fundo ("bottom") da prancha.  A maioria das pranchas possuem fundos com formatos "côncavos" ou em inglês: "concaves".

D

Deck: é a superfície da prancha. A parte de cima, onde o surfista pisa. Muitos surfistas chamam também o "anti-derrapante" que coloca-se normalmente na parte de trás da prancha de "deck" Drop: ou "dropar" é o ato de descer uma onda sem cair.

E

Entubar: é o ato de pegar um tubo. Manobra na qual o surfista fica inteiramente encoberto pela crista da onda por alguns instantes. É uma das manobras mais difíceis e valorizadas do Surf.

F

Floater: manobra funcional em que o surfista atravessa uma sessão ou finaliza a onda deslizando a prancha por cima da crista da onda.