CARRINHO ( )

Rabetas - Como funcionam e principais formatos

O tipo da “rabeta” influencia bastante o comportamento de uma prancha na parede da onda, se vai ficar mais solta ou “presa”. Imagine o comportamento da água na parte de trás da prancha: superfícies mais arredondadas seguram mais a água, enquanto cantos permitem que a água passe mais facilmente. É por esse motivo que uma “rabeta” round ou pin vai segurar a água por mais tempo, deixando a prancha mais estável em ondas grandes. Uma “rabeta” square, squash ou swallow, vai liberar a água deixando a prancha mais solta e “nervosa”.

Outro ponto para se pensar, além do formato da “rabeta”, é a variação da espessura da “rabeta”, o que vai influenciar na aceleração e quanto de controle você vai querer na parede da onda. Há uma infinidade de tipos de “rabetas”, e muitas delas são híbridas entre mais de um tipo. Segue abaixo os formatos mais clássicos:

Swallow

É o formato de “rabeta” mais utlizado em pranchas “fishs” porque permite que a “rabeta” seja mais larga e portanto, possibilita manter a velocidade em ondas mais gordas. Quando é exercida pressão sobre ela, a saída de água é forte possibilitando assim curvas de arcos menores. É recomendada para quem quer resposta rápida nas manobras e não precisa muito de controle. É bastante usada em “beachbreaks”, por esse motivo.

Squash

 É a “rabeta” mais utilizada em “pranchinhas”. Ela é a mais versátil de todas as “rabetas”, e dependendo da largura pode ser usada para ondas gordas (mais larga) ou para ondas que exigem mais controle (“rabeta” mais estreita). De maneira geral ela proporciona respostas rápidas e possibilita viradas rápidas e radicais em diversos tipos de ondas.

Square

 A “rabeta” “square” é a mais antiga das “rabetas”. É bastante similar à squash, e muitas vezes, se confunde com a mesma. Normalmente ela é um pouco mais larga que a squash o que gera velocidade em ondas mais gordas e os cantos da square formam quinas mais acentuadas, possibilitando a quebra de linha rápida na onda.

Round

É uma “rabeta” que dá mais tração que a square, principalmente em ondas maiores, mais cavadas e tubulares. Isso porque ela permite que a água se armazene em seu contorno. Por outro lado, por ser mais larga que a “rabeta” pin, permite que a prancha fique um pouco mais solta e manobrável. Normalmente as manobras vão sair mais redondas, porém menos “radicais” que as pranchas com “rabeta” square ou squash. Ela é bastante usada em “pointbreaks”.

Round pin

A “rabeta” round pin é intermediária entre a round e a pin. Possui maior aderência e projeção que a round, o que a faz mais adequada para ondas de tamanho médio/grande e tubulares como Hawaii e Indonésia. Mas por outro lado ela permite que o surfista quebre a linha das ondas maiores com mais facilidade do que a “rabeta” pin. A prancha vem afunilando em direção a “rabeta” de forma redonda, mas ao chegar no ponto mais extremo, forma uma única quina. Tem uma área menor deixando a prancha mais segura e com linhas mais redondas e por isso não é indicada para ondas cheias que necessitam de maior sustentação na “rabeta”.

Pin

É a “rabeta” ideal para as guns, usada principalmente em ondas grandes e cavadas. É a “rabeta” mais estreita, o que permite muito controle e deixa a prancha bastante presa e na “trilha” do tubo. Por esse motivo, as “rabetas” pin dificultam muito qualquer manobra e não são recomendadas para ondas pequenas.

Dê uma olhada nas pranchas que temos em estoque no comSurf com todos os tipos de rabeta.